Atenção redobrada ajuda a evitar pragas de verão


O mosquito da dengue Aedes aegypti
A ação individual é essencial para conter a dengue / Imagem: Pixabay

O aumento do calor e da umidade a partir do fim do ano cria condições favoráveis à proliferação de algumas pragas urbanas, que causam problemas de saúde extremamente nocivos para a população – escorpiões e mosquitos Aedes aegypti.

Felizmente, essa procriação pode ser facilmente evitada, conforme explicado a seguir:


Escorpiões

Esses aracnídeos não gostam de claridade e, por isso, buscam refúgio em lugares escuros e úmidos. Dentro de uma casa, costumam ser encontrados em buracos e frestas nas paredes, sapateiras, muros, rodapés soltos e forros de madeira.


Potenciais criadouros em áreas externas são pilhas de madeira, tijolos, telhas e matagais. Para combater essas pragas, recomenda-se:

  • Vedar frestas em paredes

  • Colocar soleiras em portas

  • Usar telas em ralos

  • Vistoriar roupas e calçados antes de usá-los

  • Manter o jardim livre de entulhos e acúmulos de folhas, galhos secos e lixo

  • Usar botas e luvas para trabalhos domésticos

  • Acondicionar lixo doméstico em sacos plásticos

Aedes aegypti

Todo mundo sabe que é importante evitar acúmulos de água parada em período de verão para conter a procriação do mosquito vetor de dengue, febre amarela e zika vírus – Aedes aegypti.


Nunca é demais relembrar que são ações fundamentais no combate ao mosquito: remover pneus e outros objetos de zonas de acúmulo de água e acrescentar areia a pratinhos que ficam sob os vasos de planta.


E então vêm as piscinas. Elas podem ser muito divertidas quando utilizadas, mas trazem uma série de cuidados necessários para manutenção.


As seguintes medidas são cruciais para prevenir a proliferação de mosquitos, é necessário aplicar as seguintes medidas:

  • Checagem e aplicação semanal do cloro

  • Limpeza de ralos externos e canaletas de drenagem

  • Controle de alcalinidade e pH da água

  • Cobertura de piscinas não utilizadas

Além disso, o mero esvaziamento da piscina não é uma medida eficaz para conter a procriação de mosquitos. Os ovos desses insetos podem permanecer vivos por até dois anos quando secos, eclodindo assim que expostos novamente à água.


Entretanto, muitas pessoas sofrem com o descaso dos outros quando o assunto é a transmissão de dengue e doenças relacionadas. Ter um vizinho com uma piscina mal cuidada infelizmente é algo comum no bairro. Para essas situações, recomenda-se que o morador busque o diálogo direto com a pessoa para resolver o problema.


Essa medida parece óbvia, mas muitas vezes é ignorada e é de suma importância. Caso seja insuficiente, a pessoa pode fazer uma denúncia à Prefeitura, por meio do telefone 156, site ou aplicativo SP156. Caso a questão não seja resolvida, o reclamante pode procurar pela Sajama para o encaminhamento da questão.

Mais recentes
Arquivo